Venda

Depreciação de carros usados: você sabe como é calculada?

depreciação de carros usados

Quem deseja negociar um automóvel muitas vezes fica perdido em diversas dúvidas. Uma das mais recorrentes é sobre a depreciação de carros usados. Isso é normal, pois a compra de um veículo costuma envolver uma cifra considerável e saber o quanto poderá perder quando for vender esse automóvel é uma preocupação natural.

Agora, você saberá definitivamente como é calculada a depreciação de carros usados e como utilizar esse cálculo para fechar o melhor negócio. Mas antes, você sabe o que é depreciação?

Conceito de depreciação

Assim como todo equipamento de uso constante, os carros sofrem desgastes por conta de sua utilização. Esse desgaste gera a necessidade de efetuar manutenções periódicas no veículo para que continue funcionando corretamente. Com o passar do tempo, a frequência dos reparos aumentam, os custos sobem e o carro desvaloriza.

Portanto, a depreciação é a perda de valor que o carro sofre ao longo do tempo, logo após ser vendido pela concessionária. O seu cálculo pode ser feito de duas maneiras distintas: a contábil e pela tabela Fipe. Veja como funciona cada uma.

Depreciação contábil

Esse cálculo é feito por meio de normas contábeis e regulamentos emitidos pela Receita Federal. É muito utilizado por empresas que possuem veículos em seu patrimônio para lançar os seus valores na declaração de imposto de renda. Porém, é útil também para pessoas físicas e você vai entender até o final do post.

Pelas regras, o veículo possui um prazo de depreciação de 5 anos. Após esse prazo, ele terá um valor residual de 20%. Portanto, depreciará 80% durante esse período. Para entender melhor, veja um exemplo: um veículo adquirido por R$ 50.000,00, após 5 anos deverá ter depreciado 80% desse valor, ou R$ 40.000,00, sendo R$ 8.000,00 ao ano e R$ 666,67 ao mês.

Não quer dizer que o veículo valerá apenas R$ 10.000,00 após os 5 anos. É bem provável que terá um valor de mercado maior do que esse. Porém, o cálculo é importante para servir de referência, ao ser comparado com a depreciação pela tabela Fipe, que você vai aprender agora.

Depreciação pela tabela Fipe

Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) divulga mensalmente a tabela de preço médio de veículos. Além disso, possui um histórico de valores desde janeiro de 2001. Assim, é possível saber como determinado automóvel perde valor ao longo do tempo.

Veja um exemplo: Chevrolet Onix LTZ 2014 1.4 mecânico adquirido em junho, zero km.

  • Valor zero km, em 06/2014: R$ 46.045,00;
  • após 1 ano de uso, em 06/2015: R$ 40.749,00;
  • depois de 2 anos de uso, em 06/2016: R$ 38.742,00;
  • finalmente, após 3 anos de uso, em 06/2017: R$ 38.043,00.

Com base nos valores consultados no site da Fipe, a depreciação é calculada utilizando a seguinte fórmula:

(valor no ano anterior – valor no ano seguinte) / valor no ano anterior. Depois o resultado deve ser multiplicado por 100.

Assim, para calcular a depreciação de 2014 para 2015 do carro acima, as contas são essas:

(46.045,00 – 40.749,00) / 46.045,00 = 0,1150.

0,1150 X 100 = 11,5%. Sendo assim, esse carro perdeu 11,5% do seu valor no primeiro ano de uso, de 06/2014 até 06/2015. Os demais percentuais são:

  • 4,93% no segundo ano;
  • 1,80% ao completar três anos.

Perceba que a depreciação é maior no primeiro ano, diminuindo ao longo do tempo. Esse é um dos principais motivos de a compra carro seminovo ser considerada um bom negócio, pois a maior depreciação foi bancada pelo primeiro dono.

Depreciação contábil X Depreciação pela tabela Fipe

Agora você vai entender o porquê de também fazer o cálculo pelo método contábil, mesmo sem a necessidade de lançar na sua declaração de imposto de renda. Com os dois resultados em mãos, é possível fazer a seguinte análise: quanto mais próximo os valores da depreciação de carros usados calculados pelos dois métodos, mais difícil será vender o carro no mercado de usados.

É o que acontece com algumas marcas de carros importados ou modelos de veículos para uso muito específico. A depreciação pela tabela Fipe desses carros fica muito próximo da calculada pelo método contábil, tornando o veículo pouco aceito no mercado de usados.

Descubra o que influencia na depreciação de carros usados

Os fatores que determinam a depreciação de carros usados são diversos, mas os que mais impactam são os seguintes:

Carros importados

Os veículos trazidos de outros países possuem uma depreciação de mercado maior em consequência da pouca oferta de peças de reposição e oficinas mecânicas capacitadas para efetuar reparos. Por esses motivos, manter um carro importado sai mais caro, acarretando perda de valor. É o caso de marcas como Volvo e Kia.

Marcas pouco consolidadas no país

Por motivos parecidos aos dos carros importados, existem algumas marcas que já produzem seus veículos no Brasil, mas ainda possuem uma estrutura pequena. Essa situação também dificulta a manutenção, tornando-a mais complicada e fazendo o carro depreciar. Assim ocorre com carros da Suzuki e Chery.

Veículos com fama de problemáticos

Alguns modelos sofrem com a depreciação por conta de problemas mecânicos que surgem com grande frequência no decorrer do uso, gerando insatisfação nos proprietários, que acabam tendo que vender seus carros por preços mais baixos. Foi o que aconteceu com os carros da Ford equipados com o câmbio Powershift.

Automóveis com muitos opcionais

A Fipe, ao fazer a sua pesquisa, realiza o levantamento do valor médio de determinado carro sem considerar os opcionais e acessórios instalados. Portanto, ao comprar um carro recheado de itens que não são comuns naquela versão, saiba que futuramente o venderá por um valor bem próximo de um carro que não possui tais componentes.

A Fiat é um exemplo. Ela costuma oferecer seus carros com a possibilidade de incluir diversos itens opcionais, muitas vezes passando de 15% do valor da versão básica. O Fiat Argo Precision 1.8 2018, por exemplo, é vendido por a partir de R$ 61.800,00. Porém, podem ser acrescentados R$ 9.600,00 de opcionais que não serão considerados no valor da revenda.

Agora você descobriu como é calculada a depreciação de carros usados e poderá utilizar esse conhecimento para fechar os melhores negócios.

Antes de ler este post, o que sabia sobre depreciação de carros usados? Já passou por alguma experiência anterior? Tem alguma informação para acrescentar? Então deixe um comentário e compartilhe, conosco e com os nossos demais leitores, a sua opinião e as suas ideias sobre o assunto!

Você pode gostar
Precificar um carro: dicas e estratégias que fazem a diferença!
Negociação para terceirizar a venda de veículos
Terceirizar a venda de veículos vale a pena?

Deixe seu comentário

Seu Comentário*

Seu Nome*
Seu Site

Share This